1 de junho de 2011

O Receber na Religião Budista

No dia 26 de março de 2011, junto com minhas colegas de grupo, visitei o prédio do Centro Cultural Dr. Daisaku Ikeda, localizado na Rua Tamandaré, no bairro da Aclimação, que segue a filosofia do budismo de Nitiren Daishonin. Este Centro Cultural faz parte da Associação Brasil Soka Gakkai Internacional (BSGI), fundada em 1960 pelo Dr. Daisaku Ikeda.


Prédio do Centro Cultural Dr. Daisaku Ikeda
Fonte: Simone T. Barçanelli


 Em nossa visita foi possível notar uma grande hospitalidade e respeito por parte dos anfitriões. O responsável por nos guiar pelo prédio foi o funcionário Celso K. Tokusato, que nos mostrou todos os possíveis ambientes que podem ser visitados e nos explicou sobre o Centro Cultural e sobre a filosofia de Nitiren Daishonin. Houve então um acolhimento de qualidade, pois fomos muito bem recebidas no local, além de sermos bem tratadas diante de algo que não conhecíamos. O respeito das pessoas em não tentar fazer com que seguíssemos a religião foi incrível. Todos com quem tivemos contato sabiam que iriamos fazer um trabalho para a faculdade e nos deixaram super à vontade.
O ato de receber, como descrito no dicionário Mini Aurélio (p. 585, 2002) é: “(...)9. Estar presente quando (alguém) chega, e dar-lhe algum tipo de tratamento. (...)13. Dar recepção(...).” Esta definição foi percebida com relação ao local visitada pelo fato de que sempre há alguém na recepção do prédio, seja segurança ou outro funcionário.
Segundo Gouirand o acolhimento é: “Um ato voluntário que introduz um recém-chegado ou um estranho em uma comunidade ou um território, que o transforma em membro desta comunidade ou em habitante legitimo deste território e que, a este título, o autoriza a beneficiar-se de todas ou parte das prerrogativas que se relacionam com seu novo status, definitivo ou provisório”. (GOUIRAND, Pierre 1994, p.180)
Em vista deste trecho analisamos que o centro Cultural visitado recebe e acolhe muito bem as pessoas que lá querem entrar. O local não tenta promover a aceitação de sua religião acima de qualquer outra, pelo contrário, estabelece uma sensação de igualdade entre todas, não tratando ninguém como diferente por não ser membro do budismo.
Hospitalidade é acolher e receber com gentileza e serviços alguém que esteja fora de seu ambiente de domicilio e conhecimento. A hospitalidade abrange mais do que receber ou ceder um local para repouso e/ou pernoite. Ela abrange o anfitrião e o convidado, podendo haver mais que um convidado.
A relação e os atos realizados durante uma organização envolvem, além da recepção realizada pela organização, o envolvimento e hospitalidade de todos os convidados. É importante ressaltar que o ato da hospitalidade implica não somente na abertura de espaços físicos, mas também a abertura de espaços emocionais e intelectuais. Isso se traduz no acatamento de sugestões e de idéias e também no tempo e sentimento que dedicamos a outras pessoas. Para Luiz Octavio de Lima Camargo“Hospitalidade é interação de seres humanos com seres humanos em tempos e espaço planejados para essa interação.” (Hospitalidade, 2004, p.85)



Grupo do 2º Desempenho de Compreensão em frente o Centro Cultural
Fonte: Máquina Fotográfica pertencente a Thainan de Almeida





Salão Principal
Fonte: Jessica Fortino







Nenhum comentário:

Postar um comentário